Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Crise de Trocos

por Câmara de Comércio Sotavento, em 15.09.09

Só se ouve falar da crise. Hoje em dia a crise justifica quase tudo. Entrei na loja, peguei num jornal, pedi um café e estendi uma nota de 1 conto à vendedora. Sem pegar na nota ela responde: KA TEN TROKO!!! E é isso! Mas mais, com um olhar atravessado solta um assanhado ka mesti stika. É o que ela responde quando questiono a falta de tino comercial. E a crise?

Pode se falar em CRISE, quando é o próprio vendedor que rejeita a venda?

De 2001 a esta parte não me lembro de um ano que o país não estivesse em crise e sem que se dissesse que essa seria a maior crise dos últimos anos. Cá no burgo todos estão tentando descortinar os efeitos da crise que abalou os mercados no final do ano passado e o seu impacto na economia cabo-
verdiana. Governo fala de medidas de amortização de choques externos e da "Boa Governação". Da oposição nem sei efectivamente o que pensam sobre mas provavelmente fazem a contra-informação.

E a questão que sempre se coloca é: como debelar os efeitos da crise?

Crises também pode ser encarados como oportunidades. No caso de Cabo Verde, as
oportunidades de melhoria estão em todo o lado e não precisa-se esperar pelos choques externos para encarar os problemas e aumentar a competitividade.

Numa economia insular como de Cabo Verde, há sempre grandes coisas a fazer e essa é função do estado, mas a nível micro, no nível das empresas, do pequeno negócio, há sempre formas de melhorar os resultados, aumentar vendas, diminuir custos, e principalmente o melhorar o desempenho da gestão.

A crise é de facto real nos mercados
hiper-competitivos, onde as empresas já não tem espaço para crescer e resta-lhes adaptar, fechar ou procurar novos mercados, como o nosso, para se instalarem. E aí, claro, a crise é real para as empresas instaladas que não estão preparadas para competir e deixam espaço para implantação de unidades de negócios organizadas segundo lógicas de investimento.

Como é que é possível não haver troco se o propósito é a venda? Claro que essa é a mentalidade do empregado, porque o chefe arranjaria troco. Mas esse nem sempre está presente e o negócio anda "sobre rodas".
Sta ta da!!

Sem medidas de desempenho, comissão de vendas para ninguém, funcionários a leste do serviço para o qual são pagos, informalidade nos processos de gestão e multiplica-se isso tudo pela falta de recursos e de investimentos, o cenário de CRISE não pode ser pior, aí de facto,
kau sta mau.

Crise é quando não há clientes. Havendo clientes..."
olhe, tome o seu cafezinho enquanto faço o troco aqui na loja ao lado, com a sua licença".


fonte da imagem: rev nilson jr

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:56


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Junte-se ao debate sobre emprego, qualificação profissional, formação, oportunidades de negócio, financiamento, eventos e networking.

Câmara de Comércio Industria e Serviços de Sotavento

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2009

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D